Errar é da natureza humana. Você conhece alguém que nunca erra? Ou alguém que erra por vontade própria? O ser humano é um ser em processo, em desenvolvimento, não está pronto, não está completo e longe da perfeição.

Portanto, sujeito a atos atrapalhados, em permanente busca da perfeição, mas, a milhares de anos longe dela.

Fomos criados com o privilégio de sermos cocriadores com o Pai que nos deu um planeta maravilhoso e fantástico. Criamos coisas incríveis, inimagináveis, às vezes.

Estamos utilizando tecnologias para escrever este texto, por exemplo, e podemos enviá-lo daqui a pouco a todos os cantos do planeta. Não é incrível? Isto era inimaginável há poucos anos atrás.

Mas, assim como criamos coisas fantásticas, criamos também grandes bobagens, da bomba atômica pra baixo. Criamos as guerras, a discórdia, as desavenças, a ganância, o egoísmo, o ódio, as agressões, a estupidez, a inversão de valores e todo tipo de mal.

E daí somos castigados por isso?

Não, sofremos as consequências das atitudes, não por castigo, nem por punição, mas como alerta para que acordemos e possamos fazer melhor ou diferente numa próxima vez.

Então, se somos seres em desenvolvimento, longe da perfeição, também não somos culpados pelas atitudes atrapalhadas, estamos sujeitos a erros.

Isso não quer dizer que não devamos ser responsabilizados pelas atitudes, mas compreender que é da nossa natureza ainda falharmos em algum momento.

Que nos reconheçamos como seres passíveis de falhas e não nos cobremos a perfeição, nem a perfeição dos outros. No entanto, que estejamos sempre comprometidos em fazer cada vez melhor!

Somos naturalmente falíveis e nada resolve ficarmos olhando para traz e lamentar-nos o que fizemos, a forma como fizemos ou o que não fizemos.

Olhar para o passado sim, para tê-lo como referência e fazer melhor daqui para frente. Não para nos aprisionarmos a ele, mas para nos libertarmos do que foi negativo.

Livres da culpa, livres do castigo. É programação milenar que culpado tem que ser punido.

Portanto, se nos assumirmos como culpados e ninguém nos punir, nosso subconsciente, para cumprir com a programação de que o culpado deve ser punido, atrai a punição para si. Sabe aquilo que muitos denominam de azar? Pois é.

Vivamos da melhor forma que podemos e sabemos, comprometidos em fazer sempre o melhor e acreditando que os outros também agem dessa maneira.

Desta forma, as relações conosco mesmos e com os demais se tornarão muito mais harmoniosa e saudáveis.