Você conhece alguma pessoa que está sempre no papel de vítima, de coitadinha?

Por que será que tantas pessoas têm essa necessidade?

Já escrevemos em outros textos que as pessoas agem de determinada forma, agradável ou desagradável, não porque querem, mas porque têm uma programação mental que a leva a ser do jeito que é.

Assim, podemos compreender que o vitimismo não é escolha da pessoa que assim se apresenta, mas que existe algo que faz com que ela aja desse modo.

Tudo tem uma razão para ser do jeito que é!

Portanto, o vitimismo é uma estratégia do subconsciente para o indivíduo obter algum ganho secundário. Mas, que ganho é esse?

O vitimista, o coitadinho, desperta um sentimento de pena nos outros, os quais passam a ajudá-lo, dando coisas e auxiliando-o a fazer o que não faz. Esses são exemplos típicos de ganhos decorrentes do vitimismo!

Noutras situações, a pessoa que age como vítima tem sempre justificativas pelos seus fracassos: “Ah! Eu não dou conta, não sei fazer, é muita coisa para mim!”. Com isso, há sempre alguém para fazer algo por ela.

Compreendendo o mecanismo do vitimismo

Portanto, são estratégias que propiciaram “vantagens” algumas vezes na vida e, a partir daí, o subconsciente mantém o padrão. Se deu lucro, por que mudar?

Vitimismo é empobrecimento Humano. As “vantagens” que traz, são vantagens secundárias em detrimento das vantagens primárias, do vencedor, do autossuficiente, independente, próspero e bem-sucedido na vida profissional/financeira, afetiva, social, etc.

Então, vamos ajudar o vitimista não só dando o peixe, quando necessário, mas, também e, principalmente, o caniço para que ele pesque as vantagens primárias. Não façamos mais para o outro, aquilo que ele pode fazer por si mesmo, sob pena de “aleijá-lo” em suas capacidades e competências.

Por fim,  você que desempenha o papel de vítima, não se faça pequeno mais! Confie e desenvolva suas capacidades inatas, pois você é muito mais capaz do que pensava ser.

Portanto, não aceite mais migalhas, queira mais e assuma-se com todos os potenciais, iguais em todos os seres humanos.

Todos nascemos para o sucesso, para prosperidade, para sermos grandes, felizes e cada vez mais realizados na nossa caminhada humana, basta desenvolver e utilizar os potenciais infinitos que todos temos.

Texto de Vilson Stolf