Como todos os seres vivos, o ser humano também só existe na relação com o outro. É impossível viver sem coexistir com os semelhantes. Ninguém nasce para viver como ilha, isolado dos iguais.

Nas convivências sociais, profissionais, escolares e familiares podemos perceber muitos desses grupos relacionando-se de forma muito bonita, leve, agradável e em harmonia. Outros, por sua vez, tem relacionamentos extremamente conturbados, difíceis e pesados.

Neste texto, contudo, quero falar especificamente sobre o relacionamento entre casais. Afinal, nos últimos tempos, com os avanços tecnológicos e a emancipação da mulher, muitos casais têm vivenciado grandes crises, passando, muitas vezes até por violências ou separações.

Mas, o que leva tantos casais que se comprometem publicamente a viver um sonho de amor, formar família, conviver até que a morte os separe, a quebrar essa jura de amor que parecia ser tão sólida?

Por que tantos casais acabam se separando?

A primeira constatação que se faz em Orientação Parapsicológica de casais em crise é a absoluta falta de conhecimento de si mesmo, do ser humano, do porquê do comportamento de si e do cônjuge.

Como terapeuta eu sempre digo: o problema não está no casamento, no casal em si, mas nos indivíduos que compõe o conjunto. Portanto, é preciso que o homem e a mulher se conheçam, aprendam como funciona a mente, como se estrutura a personalidade de cada um, compreendam o que leva o marido ou a esposa a ter comportamentos que nem eles sabem de onde vem. Entender também o que os leva a agir de forma atrapalhada, acabando por arrependerem-se e até condenarem-se por certas atitudes.

A partir do momento em que o indivíduo se conhece, se compreende e sabe que o ser humano é levado a ter comportamentos por força de programações subconscientes atrapalhadas – que recebeu desde sua concepção e até mesmo de seus ancestrais -,  ele passa a não mais se culpar por certas atitudes. Contudo, ainda assim, deve estar comprometido em mudar o que precisa para um melhor comportamento.

O Benefício do Autoconhecimento nos relacionamentos

Desta forma, a partir da auto compreensão, passa a entender também o por quê do comportamento do cônjuge e deixa de julgá-lo e condená-lo pelas atitudes ainda atrapalhadas. Ou seja, consegue separar a pessoa do ato atrapalhado e o relacionamento passa a ser mais harmonioso. Nada mais abala a nova estrutura resultante de um bom equilíbrio dos indivíduos que compõe um conjunto, também em equilíbrio e harmonioso.

Cabe, portanto, ao Parapsicólogo, orientar os indivíduos para que entendam que, em muitos casos, herdaram programações negativas em relação a imagem de marido, esposa, casamento, família e que tendem a repetir os processos herdados se não fizerem uma reprogramação mental subconsciente em relação a essas referências.

É fundamental que, antes de ver os defeitos do outro(a), vejam primeiro, os valores e as qualidades que são sempre maiores do que as normais limitações.

Facebook
Facebook
YouTube
Instagram
WhatsApp